Arquivo mensal: Novembro 2018

Vamos continuar a valorizar todos os espaços representativos da Paixão de Cristo em Vilarinho.

Fotos da zona do Senhor do Horto.

Pequeno historial através de fotos e alguma legendas

Antes da requalificação

Obras iniciadas em 2010 na Capela e, em 2017,   na ligação do Calvário com a Capela.

A Capela do Senhor do Horto  e todo o seu espaço exterior foram totalmente remodelados (2010)

 

 

 Estes muros, à volta da capela, foram reconstruídos (ver abaixo)  

 

A parede, ao lado da capela, foi derrubada para se criar um maior espaço à volta. Servia para suportar um depósito  para onde se transportava água em cântaros, de tal forma que, à passagem da procissão , se pudessem presenciar o chafariz e as respetivas figuras em movimento. Hoje, tudo isso é movimentado com água canalizada.

 

Estas escadas foram retiradas para dar seguimento à passagem pedonal entre a capela e o calvário. As grades também foram retiradas, como podem ver a seguir

Após as intervenções

Foi criada uma zona pedonal em granito amarelo com a mudança do calvário,dando-  lhe uma maior dignidade..

Para dar um maior significado ao local, foram mandados fazer vários  painéis, em azulejo,, desenhados e pintados por um artista de Braga, António Monteiro, sob a orientação do tesoureiro da Confraria, Salvador de Sousa.

 

Requalificação vista de dia

Parte frontal da Capela

Muros laterais

Entrada pedonal da parte sul

Continuação da parte pedonal com os painéis alusivos à Paixão de Cristo

Painéis dos Mistérios Dolorosos entre a Capela do Senhor Encontro e o Calvário

Entrada norte 

Requalificação do local vista de noite

 

Outros locais pertencentes à Confraria

Antes da última intervenção, mas já com algumas obras

Capela do Senhor do Encontro

Vista geral dos escadórios e da Capela do Senhor da Cana VerdeCapela de Santa Luzia e respetivo adro

João Vilela a realçar os símbolos da Coroa de Espinhos e as cinco Chagas de Jesus na entrada principal do Adro de Santa Luzia. Motivos colocados no seguimento destas obras Foi derrubado o muro anterior. João Vilela executa  os acabamentos do muro atualArquiteto Martins, técnico da Atahca,  a dar ao tesoureiro da Confraria, Salvador de Sousa, algumas regras para a execução da clarabóia das casas de banho.

 

João Vilela e Filipe Vivas  montam as colunas em granito para a colocação das esculturas de São João Evangelista e Nossa Senhora das Dores

Alicerces para a execução do salão ao lado das casas de banho.

Os tubos têm, no seu interior, os fios dos altifalantes entre a a Capela de Santa Luzia e a Igreja Paroquial; os fios elétricos que fazem a ligação entre o contador e a central do Monte das Oliveiras; os fios elétricos que levam a energia da central do Monte da Oliveiras à Capela de Santa Luzia; fios elétricos para a iluminação dos escadórios e, finalmente, os tubos da água das casas de banho, escadórios, lago…

Preparação do parque de merendas

Preparação, após a montagem das colunas, para a colocação dos Soldados Romanos

Últimas intervenções no exterior

Futura representação do Jardim Getsémani (estão a ser executadas as esculturas de Pedro, Tiago e João). As esculturas têm sido executadas pelo artista, especializado em Belas Artes, Maciel Cardeira

Inicio do Monte da Oliveiras (Soldados Romanos, painéis da entrada triunfal de Jesus em Jerusalém,  Ceia de Cristo, Jardim Getsémani, beijo de Judas, Pretório de Pilatos e a Via-Sacra

Parque de merendas com dez mesas e respetivos bancos

Churrasqueira de apoio ao parque de merendas

 Parte anterior da Capela de Santa Luzia Parte frontal da Capela de Santa Luzia

 Teto do alpendre da Capela de Santa Luzia com os motivos das cerimónias da Procissão de Passos passadas neste local.

Conclusão

Estas obras, a meu ver, deram uma dignidade maior ao local. Eram mais que necessárias!

Quando se faz uma obra, a verdadeira avaliação, por pessoas que estão fora das organizações que, muitas vezes, nem conhecem os projetos, nem têm uma informação fundamentada, não se faz no princípio, mas no final.  Nesta altura é que podem, com todo o direito, presenciar totalmente e dar a sua opinião. Por vezes, fartam-se de criticar negativamente (poucos, ainda bem!) no início, mas, no final, quando a avaliação também, para eles, é positiva calam-se. O que não aconteceria, com certeza, se fosse o contrário! No fundo, estão a revelar a sua aprovação, ainda bem! Quem cala consente!

Moral da história: Não devem falar antes do tempo, porque podem desanimar quem deseja fazer algo por uma terra. No meu caso pessoal, se fosse atrás dessas críticas, felizmente, muito poucas, tudo estava como antes!!!!!

Património plurissecular.

Obrigado e esperamos continuar  a contar com os apoios dos devotos e das instituições, porque as obras ainda não acabaram.

Há praticamente cem anos que há Juízes para custearem as despesas da Solenidade dos Senhor dos Passos. Quem desejar, pode dar o nome ao tesoureiro para 2021 e seguintes. É assim que, com a ajuda de todos, as obras se fazem. Muito obrigado.

Vamos estar sempre com  o nosso grande guia, O SENHOR DOS PASSOS.

Vilarinho, 1 de novembro de 2018

Pela Confraria, Salvador de Sousa